quinta-feira, 2 de junho de 2016

EM HOMENAGEM A MEU PAI

Hoje, sem mais nem menos, me veio à mente a palavra “Jubiabá”, nome de um romance de Jorge Amado, junto à lembrança de que meu pai e eu costumávamos brincar com a palavra, usando-a para nos chamarmos reciprocamente.

Meu pai gostava muito de ler e tinha uma biblioteca considerável, apesar do pequeno espaço de um quarto e sala. As paredes eram forradas de livros e isso nos influenciou a todos, da família. Minha mãe também era (e ainda é) uma grande e ágil leitora. Além da leitura, meu pai também gostava de brincar com as palavras e de dar aulas de Português e Literatura, disciplinas que lecionou em cursos preparatórios da Biblioteca Nacional e cursos do artigo 99 durante vários anos, tarefa acumulada à de oficial de justiça.

Certa feita, meu pai me surpreendeu com uma palavra que eu não conhecia e ficava repetindo-a como se fosse o meu nome. “Nataribu”, dizia em voz alta! “Nataribu” ... e soltava uma risada! Cheguei a pensar que fosse algum nome turco, mas só consegui desvendar o enigma quando, acompanhando-o em outro de seus prazeres – o da cerveja – em um bar de Copacabana, descobri que “Nataribu” é Ubiratan ao contrário. Em frente ao bar Danúbio havia um prédio com esse nome e meu pai caiu na gargalhada ao ver que eu havia, finalmente, desvendado o mistério.

Hoje o Danúbio mudou de nome e meu pai já não está por aqui – ou melhor, está! Ele continua nessas lembranças e nas imagens de um filme em que contracenou com o Oduvaldo Vianna Filho, o Vianninha. O filme se chamava “Um Homem Sem Importância” e, apesar do papel principal ser do Vianninha, pra nós da família quem brilhava era meu pai – mesmo tendo a voz trocada pela de um dublador, pois a tomada era externa e a tecnologia precária.

Hoje lembro meu pai em seus ensinamentos de gramática, sua verve poética intensa, seu bom humor quase permanente. Seu Mário só não gostava de baixaria, golpe baixo, molecagem ... 

Mário Prieto, velho Mário ... que falta que você nos faz!

Flávio Braga Prieto da Silva

Mário Prieto e Vianninha


5 comentários:

  1. Nossa, seu pai e Vianninha juntos nesse filmaço? Que bela homenagem a eles e ao antigo e glorioso cinema brasileiro.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Valéria. O filme é bem atual, não é? Abraços!

      Excluir

CADA UM QUE ASSUMA SUAS CULPAS ...

CADA UM QUE ASSUMA SUAS CULPAS ...