sexta-feira, 8 de março de 2019

LAWFARE NA ARGENTINA - JUDICIÁRIO A SERVIÇO DA DIREITA

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

BRUMADINHO: QUANTO VALE A VIDA?

O governo eleito e recém-empossado, na pessoa de seu representante mais eloqüente, o presidente Jair Messias Bolsonaro, declarou algumas vezes que acabaria com a 'festa' dos órgãos de controle ambiental de sair 'multando a torto e a direito'. Um dos órgãos mencionados especificamente pelo atual presidente da república é o IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio-Ambiente, encarregado de fiscalizar o cumprimento das leis ambientais em todo o território nacional, com ajuda de órgãos locais, e cuja diretoria foi imediatamente trocada logo após o novo governo tomar posse. Hoje, o Ministro do Meio Ambiente, pasta que foi agregada à da Agricultura - unindo em um mesmo órgão interesses antagônicos de ruralistas e defensores ambientais - é Ricardo Salles, condenado por improbidade administrativa por atos praticados entre 2016 e 2017 em São Paulo no período em que foi Secretário de Meio-Ambiente do governo Alckmin (PSDB). Ele é um conhecido defensor do agronegócio e de empresas, em detrimento do meio-ambiente do qual deveria cuidar. Não me surpreendo, portanto, que desastres ocorram e que as declarações dos porta-vozes do governo sejam no sentido de isentar liminarmente as empresa responsáveis. É de se esperar que mais desastres - ou crimes ambientais - ocorram, e que seus causadores, sob o beneplácito das autoridades do Executivo e Judiciário, consigam escapar pagando com morosidade indenizações que não correspondem a 1% de seu faturamento - apesar de seus presidentes e gestores se dizerem 'consternados' pelas mortes e destruição causadas. Mariana, Brumadinho, onde mais? Quantos mortos mais serão necessários para que se reconheça que a vida humana e de outros seres deve valer mais que o lucro da Vale? Afinal, quanto vale a vida? 




segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

SERÁ QUE O PT ACABOU MESMO COM O BRASIL?

SERÁ QUE O PT ACABOU MESMO COM O BRASIL?


Alguns dados para acabar com essa falácia de que o PT acabou com o Brasil e que foram ‘13 anos de destruição’. Será que ele realmente destruiu o Brasil? Vejamos o Brasil antes e depois dos 13 anos de PT (sim, foram 13 anos e não 16). Vamos a eles:

SALÁRIO MÍNIMO:

Em 2003: R$240,00
Em 2016: R$880,00



Um aumento de 266% no período enquanto a inflação acumulada foi de 123%. Fazendo a correção, o salário de 2003 equivale a R$535,39 em 2016. Ou seja, um aumento real de 2003 para 2016 de incríveis 64%.

(Fontes: Min. da Fazenda, IBGE e FGV)

IDH - ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO

Em 2003: 0,695
Em 2016: 0,755



(Fonte: PNUD – ONU)

DISTRIBUIÇÃO DE RENDA (Índice de GINI)

Em 2003: 0,586
Em 2016: 0,491



(O índice GINI mede o grau de desigualdade de um país. Quanto mais próximo de 1, mais desigual é)


(Fonte: IBGE)

EXTREMA POBREZA

Em 2003: 10,5% (Banco Mundial) 17,5% (IBGE)
Em 2016: 4,2% (Banco Mundial) 9,2% (IBGE)



O Banco Mundial e o IBGE usam rendas diferentes para critério de extrema pobreza. Em ambos percebemos uma queda acentuada (60% e 47,4% respectivamente) no percentual da população que vive em extrema pobreza.


(Fontes: Banco Mundial e IBGE)

TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL (a cada mil nascidos)

Em 2003: 21,5
Em 2016: 14,0



Uma queda de 34,8% no período. Vale ressaltar que em 2016 tivemos uma epidemia de Zika no país que elevou a taxa de mortalidade infantil, o que torna essa queda mais expressiva.


(Fonte: IBGE)

TAXA DE ANALFABETISMO

Em 2001: 12,4%
Em 2016: 7,20%

Uma queda de 42% no período.


(Fonte: INEP – MEC)

ENSINO FUNDAMENTAL
(jovens de 16 anos com ensino fundamental concluído)


Em 2003: 57%
Em 2014*: 74%



Um crescimento de 29,8%.

(*O estudo do PNE com base no PNAD que serviu de fonte para estes dados era de 2014, portanto não trazia dados de 2016.)


(Fonte: Observatório do PNE)

PIB



Em 2002: 1,48 trilhões
Em 2016: 6,26 trilhões



Corrigido pelo IGP-M, o PIB de 2002 equivale a 3,53 trilhões em 2016. Ou seja, tivemos um aumento de 323% que, considerando as correções, representa um aumento real de quase 80% no nosso produto interno bruto.


(Fonte: IBGE e FGV)

RESERVAS INTERNACIONAIS

Em 2003: U$ 37,6 bilhões
Em 2016: U$ 370 bilhões



Um aumento de 884%. Quase 10 vezes maior de quando pegou para quando entregou o governo.


(Fonte: Banco Central)

ENSINO SUPERIOR

Em 2002: 466,2 mil alunos concluíram
Em 2014: 837,3 mil alunos concluíram

De 1995 a 2002: 2,4 milhões concluíram
De 2003 a 2014: 9,2 milhões concluíram



O aumento de pessoas com nível superior reflete o sucesso de políticas públicas como o PROUNI e também é consequência da melhora da renda da população em geral que passou a ter condição de pagar pelos estudos.


(Fonte: MEC)

DESEMPREGO



Em 2003: 13,0%
Em 2014: 4,3% (Fim do 1o mandato da Dilma)

Em 2016: 11,3%
Hoje: 12,3%



A redução da taxa de desemprego do início do governo PT até o início da crise, quando a Dilma ganhou a reeleição, havia sido de 67%. Com a crise que vivemos até hoje este indice subiu bastante, mas mesmo assim se encontra abaixo de 2003 quando o PT entrou. Ou seja, apesar da nossa percepção de que nunca esteve tão ruim, de desesperança e de caos, de fundo do poço, ainda assim está melhor que antes do PT entrar.


(Fonte: IBGE – PNAD)

MORTALIDADE INFANTIL - CRIANÇAS DE ATÉ UM ANO

2003: 27,48%
2015: 13,08% *


* a menor em 11 anos.


(Fonte: IBGE)

(contribuição de Jonice Oliveira / Suzanne Xavier)

Diante dos dados acima, continuar repetindo que o PT destruiu o Brasil é algo que não cabe. É negar os fatos, a realidade. O Brasil que o PT deixou é melhor do que o que pegou em todos os índices.


Todo o mal que afirmam que os petistas (provas?) fizeram não invalida os grandes e numerosos avanços alcançados. Viva o PT!!!




39 ANOS AO LADO DO POVO

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

ATÉ QUANDO A DIREITA DARÁ GOLPES IMPUNEMENTE?

Pela segunda vez, em um intervalo de cerca de 16 anos, tentam um golpe direto contra a Venezuela. Agora é Juan Guaidó, engenheiro industrial e administrador, atual presidente da Assembleia Nacional. Da outra vez foi o empresário Pedro Carmona, mas o golpe foi revertido e Chávez pôde concluir seu mandato. Vai dar em mortes, pois Maduro concorreu à presidência e venceu com 67,8% dos votos válidos e cumpre seu mandato regularmente. Antes de se autoproclamar presidente, Juan Guaidó propôs golpe militar contra Maduro. A iniciativa de destituir Maduro à força faz parte da ofensiva neoliberal no continente, liderada pela direita regional empresarial e política e coordenada por agentes do grande capital internacional. A direita sempre tenta ganhar o poder a todo custo: quando perde nas urnas, promove golpes, após acusar a esquerda de irregularidades. Foi assim no Paraguai, no Brasil ... e agora veremos.





MAIS JUSTIÇA E MENOS MORO