quarta-feira, 8 de abril de 2015

RUIM COM ELAS ... PIOR SEM ELAS!

Dizer que o problema do tráfico no Brasil é exclusivamente federal porque parte das drogas e armas utilizadas pelos traficantes vem de fora é tentar tapar o sol com a peneira, pois em um país com fronteiras tão extensas sempre haverá a chance de contrabando e drogas e armas também são produzidas internamente. Os Estados Unidos, com seu orçamento bilionário para defesa, não conseguem conter o problema ou anulá-lo e a Europa tampouco. A solução acaba sendo combater ostensivamente o tráfico onde ele aparece, ou seja, nos pontos de venda, seguindo a legislação que atribui às polícias estaduais o dever de reprimir e investigar - sem excluir operações da Polícia Federal com a mesma finalidade. Traficantes, sejam eles meros soldados do tráfico ou donos de bocas e seus sócios e financiadores, não são pessoas 'boazinhas'. Se for necessário matar alguém, matam ou mandam matar. O tráfico sempre matou bem mais que a PM, quer se trate de mortes intencionais ou acidentais. Associados ao tráfico, há vários outros delitos (roubos de carros, quadrilhas de falsários, etc.). A instalação de UPPs reduziu as mortes nas comunidades de maneira sensível. Todas as estatísticas disponíveis indicam isso - sejam elas de órgãos públicos ou independentes. Outros tipos de crimes também foram reduzidos consideravelmente. 

O projeto não é perfeito e deve se fazer acompanhar por medidas sociais mais amplas e permanentes, o que de fato já ocorre em várias das comunidades onde UPPs foram implantadas. No entanto, essas vidas poupadas e parte da cidadania resgatada nunca são mencionadas quando se critica algum abuso ou erro de autoridades policiais. Lembro-me das fotos de jornais que mostravam cadáveres sem cabeça ou carbonizados, em um festival macabro diário. Isso ainda ocorre, mas em geral é nas comunidades que ainda não contam com UPPs. É isso que queremos que volte? Obviamente, os erros da PM têm que ser criticados e combatidos duramente, mas ignorar o problema do tráfico ou fazer de conta que não existe é ingenuidade, pensamento mágico ou má-fé. O tráfico não acabará ou sairá das comunidades espontaneamente. O tráfico é mais bem armado que a PM, disso todos sabemos. Quem ataca as UPPs a tiros são os traficantes que desejam o seu fim. Não se importam se alguém da área for atingido, se matarem moradores também. Querem tensão máxima e o fim do projeto que reduz seu poder. É isso que queremos também? Visite um morro onde ainda não há UPP e veja crianças e adolescentes com rifles nas mãos.

                                            Meninos e rapazes traficantes da Serrinha
                                          Menor traficante mata namorada por dívida

                          Traficantes da Covanca (menores c/rosto tarjado)
                                       Criança cumprimenta militar no morro Sto.Amaro


http://www.brasil247.com/pt/247/favela247/133965/Viol%C3%AAncia-diminuiu-na-Cidade-de-Deus-ap%C3%B3s-UPP.htm

http://vestibular.uol.com.br/resumo-das-disciplinas/atualidades/seguranca-publica-em-seis-anos-de-implantacao-upps-ainda-enfrentam-desafios-nas-comunidades-do-rio.htm

http://observatoriodefavelas.org.br/noticias-analises/upp-impactos-e-expectativas/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

FUERZA, AMIGOS!

NUESTRAS ORACIONES SE VUELVEN A USTEDES