segunda-feira, 10 de março de 2014

É CLARO QUE VAI TER CHURRASCO!


VIVA: VAI TER CHURRASCO E VAI TER COPA!!! (F.Prieto)

Imagine a seguinte situação: o conselho de condôminos de um conjunto residencial resolve, após aprovação em assembleia geral, conforme obriga o estatuto condominial, organizar um churrasco para dali a seis meses nas dependências comuns do condomínio construídas para isso. Várias semanas depois, um grupo de condôminos descontentes resolve se rebelar e começa a gritar que 'Não vai ter churrasco!' já que a prioridade, segundo eles, seria a limpeza da caixa d'água e a recuperação das lixeiras e dos jardins (itens também contemplados na mais recente e em outras assembleias anteriores, inclusive). Mesmo sendo informados de que o churrasco, na verdade, seria um momento de confraternização entre os condôminos, seus familiares e visitantes, arrecadando também verbas mediante cobrança de ingressos, as quais servirão para pagar o próprio evento e a reforma da churrasqueira - prevendo ainda um lucro de 200% a ser revertido em favor do próprio condomínio - assim mesmo, os opositores ao churrasco retrucam que são vegetarianos e que churrascos geram fumaça e barulho e devem ser impedidos de acontecer a todo custo. A coisa se complica quando, insuflados pelos três principais opositores à atual administração eleita, um ex-síndico e outros dois que gostariam de ser síndicos mas nunca obtiveram os votos necessários, associados a gente de outros condomínios, é criado um 'movimento anti-churrasco' ecumênico, que logo vira uma espécie de intifada feroz, com uso de megafones, cartazes e marchas condomínio adentro, depredação de canteiros e lixeiras, luminárias e postes, tentativas de ataque à própria churrasqueira, às caixas de correspondência e até à sala de reuniões de condôminos, além dos filhos de alguns ativistas revoltosos acamparem em frente à casa do subsíndico por vários dias para fiscalizar cada ato de sua vida, hostilizando-o e a seus amigos e familiares com base no suposto direito irrestrito de livre manifestação ... sendo o último passo da ‘luta’, tentar montar brigadas e barricadas contra o citado churrasco.

Claro, isso é uma mera analogia pois cidades e países não são simples condomínios e prefeitos, governadores e presidentes(as) não são meros síndicos. Mas serve para mostrar o absurdo que é algo que começa como um movimento reivindicatório retardado e por uma via inadequada - já que a Copa deveria ter sido questionada quando se soube que ocorreria aqui, por meio de um pedido de referendo ou consulta popular - e logo se torna um pretexto desonesto para tentar derrubar, por meio de protestos acirrados e atos extra-legais de grupos minoritários, uma administração eleita pelas vias normais previstas nos estatutos do país. Nenhum partido assumiu publicamente essa oposição à Copa com todas as letras desde o início, ou na última eleição presidencial, e nem quando seria possível questioná-la pelas vias legalmente previstas. Tentar impedir ou estorvar sua realização agora, além de ilegítimo e ilegal, chega a ser burrice e contrassenso, pois é jogar no lixo parte dos investimentos realizados e comprometer a possibilidade de retornos – parcela expressiva dos quais, reitero, serviria exatamente para atender a várias das demandas dos ‘condôminos revoltosos’. E, diga-se a verdade: os cerca de 1% ou 2% que chegaram a participar efetivamente de atos contra a Copa ou contra o governo que aceitou que ela se realizasse aqui também não representam os outros 99% ou 98% da população que não se manifestaram. Por isso, também me acho no direito de declarar: - Vai ter Churrasco sim! (ou melhor: - Vai ter Copa! E vai ser muito legal!!!).
* Obs.: dos lucros previstos com a realização da Copa do Mundo de Futebol de 2014, calcula-se que cerca de 60 bilhões fiquem em impostos, para serem investidos onde precisarmos ou desejarmos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CUSTOM-TAILORED TRIAL - JUÍCIO HECHO A MEDIDA - JULGAMENTO SOB MEDIDA

JULGAMENTO SOB MEDIDA A condenação de Lula por Moro era previsível, ou melhor, era certa, mesmo antes do início do processo. O juiz da o...