quinta-feira, 21 de novembro de 2013

THOREAU E A DESOBEDIÊNCIA CIVIL


THOREAU E A DESOBEDIÊNCIA CIVIL (por Flávio Prieto)

Acabo de ler "A Desobediência Civil', do pensador estadunidense Henry David Thoreau, mais conhecido como um dos expoentes do anarquismo individualista. Ensaísta, poeta e precursor de experiências de vida despojada junto à natureza, Thoreau viveu entre 1817 e 1862 em Massachusetts, Estados Unidos, não chegando a completar 45 anos de existência em razão de uma tuberculose contraída ainda na adolescência.

Seu famoso ensaio "Resistance to Civil Government", publicado em 1849 e muitas vezes citado e traduzido como "A Desobediência Civil" é uma obra de poucas páginas, escrita em estilo vigoroso e direto. Para entendê-la melhor, é necessário ter em conta o quadro social e político da época em que Thoreau viveu. Parte dos estados e cidadãos norte-americanos repudiavam a escravidão, enquanto outros apoiavam-na e valiam-se dela, em especial os estados sulistas que se utilizavam dessa mão de obra intensivamente na agricultura e para trabalhos diversos, incluindo os domésticos. Tais divergências resultariam na Guerra da Secessão (1861 a 1865). A guerra de conquista contra o México (1846 a 1848), com a consequente invasão de seu território e anexação de terras, é outro dado importante para entendermos o pensamento de Thoreau.

Basicamente, Thoreau critica qualquer submissão cega ao Estado e a governos e propõe que a consciência individual seja a bússola que orienta cada indivíduo a cumprir ou não as leis e quaisquer outras imposições sociais. Usa como exemplos ilustrativos para justificar tal insubmissão as guerras injustas e a escravidão desumana. Também rejeita a cobrança de determinados impostos e taxas (na época havia, segundo relatos, taxas cobradas até pelo clero) que, segundo ele, resultavam em serviços desnecessários ou apenas ajudariam a financiar um sistema injusto e autoritário de castas. Dizia que se um único cidadão se opusesse a isso ele constituiria a maioria verdadeira, pois estaria agindo de acordo com sua consciência e sob critérios de justiça mais elevados e válidos, sendo portanto o único realmente livre, ainda que estivesse preso. 

Salvo os poucos dias em que esteve preso, até que uma tia pagasse uma divida fiscal em seu desfavor, Thoreau viveu como um homem livre, preferindo por dois anos e dois meses morar isolado em uma cabana que ele mesmo construiu na propriedade de seu célebre amigo e também poeta e pensador Ralph Waldo Emerson, às margens de um lago no bosque de Walden. Seu pensamento e atitudes condizem bastante com as circunstâncias da época em que viveu, na qual alguns homens sentiam-se de fato sufocados por um governo e sociedade de cunho bastante autoritários e belicosos, cujos canais de expressão e participação social e política dos cidadãos eram bem mais escassos que hoje. 

Resta saber como funcionaria o Estado ideal sem governo imaginado por Thoreau, expresso parcialmente, de maneira não totalmente definida, em algumas de suas propostas individuais. Como bem explica ele, a existência de governos e do próprio Estado se credita a determinadas conveniências coletivas e, também, para solucionar  conflitos entre indivíduos. Todavia, se a prática do respeito às leis e às autoridades eleitas por maioria - critério duramente criticado por ele - dependesse apenas do esclarecimento e consciência individuais, seria impossível ter-se  um Estado até mesmo para resolver tais conflitos e conveniências coletivas. Ele afirma que uma entidade abstrata de pessoas não é dotada de consciência -  mas se as pessoas que a compõem a tiverem, poder-se-ia então falar em uma entidade dotada de consciência. E, no entanto, como sabemos, tal conceito e sua amplitude e sentido diferem de indivíduo a indivíduo de maneira substancial. Sem uma organização prévia e sem recursos previstos, estabelecidos anteriormente por normas claras e efetivas, como governar, mesmo que se trate de um auto-governo coletivo? E como definir o que é socialmente aceitável ou não, em um sistema baseado no primado da subjetividade, uma vez que a sociabilidade é um dado da vida humana na Terra? Infelizmente, ele não está mais aqui para nos iluminar sobre esse tema ...

HENRY THOREAU - CABANA EM WALDEN

2 comentários:

  1. Tive uma fase de intensa leitura anarquista, a qual contemplou Thoreau também, mais ou menos no ano 2000. Não me converti, mas aceitei algumas influências bacanas, como de Piotr Kropotkin. Quanto à Thoreau, não se trata de um cientista, mas quase de um poeta. Li o seu pequeno livro, a desobediência civil, como uma espécie de brado, com toda fúria possível, a partir do cidadão oprimido por obrigações "inventadas" na sua época. Lembremos que os EUA eram para ser a "land of free" e a "home of the braves".
    Como você bem frisou, não faz sentido lê-lo sem o contexto devido. E também penso que não podemos exigir dele, que não expõe uma teoria política e sim externa sua angustia com as coisas que vivia, uma concepção de Estado.
    Outros autores anarquistas tratam melhor do que seria a inexistência de um poder estatal constituído, mas ainda assim uma vida subordina à coletividade.
    Isso remonta a Aristóteles, que classifica as espécies entre as gregárias (koinonia) e as solitárias (monadika). As duas ainda podem se subdividir entre as sociáveis (politika) e as que vivem de maneira esparsa (sporadika). Assim a natureza biológica (zoe) humana é gregária, e se materializa no meio (a vida como "bios", ou modo de vida) de forma social. A cidade surge naturalmente. Artificial é viver numa cabana, como Thoreau, o Unabomber, e outros eremitas.
    Um autor anarquista que me marcou foi o norte americano Murray Bookchin. Li seu "municipalismo libertário". Ao invés de grandes nações, com todo poder bélico e policial que concentram, a divisão social se daria entre municípios, onde cada indivíduo estaria próximo das decisões coletivas o suficiente para que não fosse apenas um átomo como acontece hoje. Gostei disso, e depois encontrei isso também em Rousseau, que diz que a melhor constituição para os estados é no sentido de evitar os potentados (ele elaborou um projeto de constituição para a Córsega que era a matéria-prima do meu Mestrado).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu pelo esclarecimento, Marco. Muito interessantes suas observações. Por acaso, quando dava aulas de Inglês, tive um aluno que me pedia para traduzir os poemas dele - ou seja, conheci-o antes como poeta. Alguns antropólogos dizem que o pensamento lógico deriva do uso da palavra, que é uma prática social.

      Excluir

PRESIDENTE DA AMBEV QUER COMPRAR A ELETROBRAS

FUNCIONÁRIOS DA ELETROBRAS DENUNCIAM A MÃO INVISÍVEL DE LEMANN NA PRIVATIZAÇÃO O agente oculto da privatização seria Oscar Salo...