sexta-feira, 7 de setembro de 2018

QUEM SEMEIA ÓDIO COLHE DESGRAÇA

- Quem procura osso é cachorro!

Assim o candidato à presidência que sofreu um atentado a faca esta semana se referia outrora aos parentes dos desaparecidos no Araguaia cuja localização dos corpos se desconhece até hoje, após terem sido torturados e mortos pelo regime militar que durou vinte anos no Brasil.

- Eu sou favorável à tortura! – afirmava ele também em um programa de televisão, no qual declarou ainda que em sua opinião o regime militar deveria ter matado mais gente:

- Se mais gente tivesse ido para o saco ou para a vala, seria melhor!

Com relação aos 111 presos do Carandiru, assassinados pela PM paulista na década de 90 – crime por todos condenado e até hoje não devidamente punido – já afirmara sem pestanejar:

- Acho que a PM perdeu uma grande oportunidade de matar mil bandidos; já que houve (o massacre), que matassem mil! Assim, fariam uma limpa na vagabundagem!

Ao longo de décadas, Jair Messias Bolsonaro, ex-capitão do exército e parlamentar há 27 anos, não teve qualquer escrúpulo em expressar suas opiniões mais absurdas e obtusas em tom nítido de provocação, exaltando uma falsa ética baseada em arbítrio e violência e no desprezo às minorias e zombando de tudo e de todos. Ainda na semana passada, em um comício no Acre, empunhava um tripé de câmera como se fosse uma metralhadora ao concitar seus apoiadores a ‘fuzilar a petralhada’ e colocá-la ‘pra correr do Acre’, numa clara incitação ao ódio e à violência.

Hoje convalesce em uma cama de hospital enquanto seus correligionários acusam o PT de ser responsável pelo fato, mesmo sabendo que quem praticou o atentado é insano e não tem vínculo algum com tal partido, e tentam de forma vil auferir ganhos políticos com a tragédia ocorrida ...

Provérbios 22:8 – Quem semeia a maldade colhe a desgraça, e será castigado por seu próprio ódio.


Provérbios 14:3A conversa do perverso traz a vara para suas próprias costas, mas os lábios dos sábios os protegem.

Flávio B. Prieto da Silva

MAIS JUSTIÇA E MENOS MORO